PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Desafio de educar crianças a distância no Brasil inclui até acesso à luz

Letícia Piccolotto

13/06/2020 04h00

(Crédito: Getty Images)

De todas as áreas impactadas pela pandemia de coronavírus, poucas foram tão profundamente afetadas como a educação. 48,5 milhões é o número de alunos que cursam a educação básica no Brasil e que não estão frequentando as aulas presencialmente em atendimento às medidas de distanciamento social. Segundo estimativas da Unicef, mais de 95% das crianças estão fora da escola na América Latina e no Caribe. O número equivale a 1,5 bilhão de estudantes.

Para além dos evidentes impactos que esse evento sem precedentes pode ter para o aprendizado, há outros efeitos que surgem com a não frequência à escola, já que ela é fundamental para os estudantes em outros aspectos como, por exemplo, para apoio psicológico e atividades extracurriculares. Além disso, nunca custa lembrar que a escola é, para muitas crianças e jovens, a principal fonte de alimentação – daí a importância de políticas como a merenda escolar.

Não havia qualquer planejamento ou preparação para esse cenário – seja no Brasil ou em qualquer lugar do mundo. Em um momento de crise e grandes incertezas, foram implementados planos de contingência para tentar garantir uma mínima continuidade das atividades escolares, mesmo que à distância. E como pudemos observar em outras áreas, tais como trabalho e saúde, as ações adotadas envolveram o uso intensivo de tecnologias.

E os resultados também são distintos. Para muitas escolas, o processo tem se desenvolvido bem, com alunos participando de atividades à distância. Para outras, especialmente as públicas, os desafios começaram a aparecer e refletem o cenário de desigualdades existente no país: ausência de conexão à internet, baixas habilidades digitais e também a inexistência de processos pedagógicos específicos para o meio digital.

Ainda assim, o momento atual não deixa de representar um espaço para entender quais os desafios e possibilidades para que o ensino remoto possa ser adotado pelo Brasil, especialmente no contexto pós-crise.

Estamos diante da chance de construir um legado futuro que seja positivo.

O cenário hoje

Segundo um levantamento do CIEB, publicado em abril, das 2.520 redes municipais que já haviam publicado alguma normativa para suspensão das aulas presenciais, 945 (37%) declararam não utilizar nenhum recurso digital. Ainda neste grupo, mais de 90% das secretarias não estavam recolhendo dados sobre os estudantes – por exemplo, presença em aulas ou atividades desenvolvidas.

Como é possível perceber, há um desafio para a incorporação de ferramentas digitais que possibilitem a continuidade das aulas. E mesmo nos contextos em que elas existem, surge um segundo problema: o acesso dos estudantes à internet e ao computador.

Em todo o mundo, 826 milhões de estudantes não possuem computador no domicílio e outros 706 milhões não têm acesso à internet em casa. O cenário se repete no Brasil: segundo a pesquisa TIC Domicílios, publicada em maio pelo Cetic.Br, 20 milhões de domicílios no Brasil não possuem internet – 50% destes pertencentes às classes D/E.

Esse quadro é muito grave porque, na prática, significa que milhões de estudantes não estão conseguindo continuar seus estudos. O resultado pode ser o aprofundamento de problemas já existentes na educação brasileira: evasão escolar, déficit de aprendizagem, oportunidades desiguais e baixo atendimento das necessidades de estudantes.

Feliphe Schiarolli/ Unsplash

Não devemos jogar toda a experiência fora

Não podemos ignorar os diversos problemas que hoje existem para a implementação do ensino remoto a partir de soluções digitais. Em um país com um nível de desigualdade abissal como o Brasil, é preciso reconhecer que nem todos os lares têm acesso à internet, computador e, inclusive, energia elétrica – nas regiões mais remotas do país.

Mas é sempre importante considerar que a tecnologia não é o problema. Ela pode e deve ser uma solução para a construção de uma educação do futuro e das competências digitais – um cenário que deve ser cada vez mais demandado no futuro próximo e não somente no contexto da pandemia.

E os resultados podem ser muito positivos. No GovTech Brasil 2018 [veja vídeo abaixo], Ricardo Paes de Barros, pesquisador do Insper, ressaltou que a inclusão de tecnologias educacionais poderia representar um aumento de oito pontos no desempenho da escala SAEB – sistema de avaliação da educação básica no Brasil. E são várias as suas possibilidades de aplicação: a criação de trilhas pedagógicas e conteúdos personalizados para os alunos; a utilização de diferentes métodos para transformar o ensino em algo mais interessante e engajador; isso sem mencionar as infinitas possibilidades de formação docente e gestão escolar.

Com a pandemia, diversas dessas soluções para o ensino remoto passaram a ser conhecidas, por exemplo, o Centro de Mídias de Educação, no Amazonas, uma experiência que existe há muitos anos para garantir a transmissão de aulas ao vivo e diariamente para comunidades das zonas rurais do estado. Outras iniciativas foram desenvolvidas especialmente como resposta à crise. É o caso do SME Carioca, aplicativo criado pela Prefeitura do Rio de Janeiro para garantir a continuidade das aulas dos mais de 500 mil alunos da rede – da educação infantil até a EJA, educação de jovens e adultos.

Há muito tempo as edtechs também buscam aliar tecnologia à educação. Elas correspondem à maior parte de startups do país – mais de 940 organizações, segundo levantamento da Abstartups. Muitas delas fazem parte da rede do BrazilLAB, como a Faz Game, cuja solução permite que os alunos desenvolvam competências socioemocionais a partir de técnicas para a criação de games educacionais. Ou a MobiEduca.Me, uma plataforma para a gestão escolar completa – desde o controle da presença de estudantes até a avaliação sobre o aprendizado. E a Árvore de Livros, que é a maior plataforma de leitura digital do Brasil e disponibiliza aos estudantes um acervo de mais de 30 mil títulos.

Há diversas possibilidades de aplicação de tecnologias na educação. Independente da solução adotada, é importante compreender que ela é um caminho que deve ser combinado com a infraestrutura necessária e uma visão sobre a estratégia educacional que se deseja implementar.

É verdade que estamos vivendo um momento muito difícil e várias mudanças são necessárias para que a tecnologia possa ser incorporada no cotidiano escolar de maneira mais igualitária. Precisamos também estar atentos e preparados para corrigir os déficits de aprendizado que devem surgir após o período agudo da pandemia – especialmente entre os mais vulneráveis. Mas podemos e devemos aproveitar o momento para identificar quais são os desafios e que estratégias devem ser adotadas no futuro – que será marcado por uma maior presença da tecnologia na educação.

Sobre a autora

Letícia Piccolotto é mestre em Ciências Sociais, especialista em Gestão Pública pela Harvard Kennedy School e fundadora do BrazilLAB, a única plataforma brasileira que conecta startups e governos para estimular a inovação no setor público.

Sobre o blog

Acelerar ideias e estimular uma cultura voltada para a inovação do setor público. Este é um blog para falar de empreendedores engajados em buscar soluções para os desafios mais complexos vividos pela sociedade brasileira.